R:Z Arco 3, Interludio 2 – Vamos Comer [1/2]

Ainda na carroça de dragão que balançava, Rem só pensava nele.

Seu nome apareceu repentinamente em sua mente, Rem levantou suavemente seu rosto, e estreitou seus olhos contra a radiação brilhante do sol. Ela olhou para a comitiva de carruagens de dragão à frente, dentro delas estão os soldados feridos da batalha contra a Baleia Branca.

Ao todo, apenas suas feridas urgentes foram tratadas, e mais do que algumas delas ainda estão gravemente feridas. No entanto, mesmo em sua dor, os cantos de seus lábios reluziam apenas o sentimento de realização por ter cumprido um sonho longo esperado. Depois de levar este sonho por tantos anos, vê-lo finalmente cumprido significava mais para eles do que lesão ou morte. Tendo alcançado o que eles se propuseram a fazer, agora cavalgam em direção à capital, para seu retorno triunfante.

Levando tudo isso em sua visão, Rem se odiava por não ser capaz de conter a dor dentro de seu coração.

Crusch: Você parece ansiosa, Rem. Você ainda está se preocupando com ele?

Rem: … Crusch-sama

Escutando o tom de sua voz, Crusch sentou-se ao lado dela.

Envolta em ataduras de gaze leves, é admirável como Rem não revelava nenhum sinal da gravidade de seus ferimentos, mas era impossível esconder o quanto a sua resistência estava esgotada. O fato de que elas andassem em uma carruagem também era porque Crusch não se sentia confortável deixando Rem montar um dragão solo sozinha nesta condição. Então ela resolveu acompanhá-la, pelo menos até que a Capital estivesse ao alcance dos olhos.

Sentindo o olhar inquieto de Rem, Crush casualmente deu de ombros.

Crusch: Comparado a isso … – Disse ela balançando a cabeça,

Crusch: Ele tem Wilhelm, Ferris, as elites da expedição e a companhia mercenária de Ricardo, todos ali para ajudá-lo. Além disso, Anastasia deve ter predito esta mudança de eventos. Mesmo se a força do adversário fosse uma preocupação, eu não acho que havia qualquer razão para supor que eles perderiam

Rem: Mesmo assim, eu não posso esconder essa minha preocupação egoísta – Rem se refere ao fato dela estar mais preocupada com o Subaru do que ela mesma.

Crusch: Rem… Ainda nao consegue se desfazer dessa montanha de ansiedade huh … Quando o obstáculo está dentro de si, seria possível melhorar a si mesma até que o haja superado. Mas quando se trata de outras pessoas, torna-se bastante difícil … Aff, olhe, eu sou muito terrível em consolar as pessoas, portanto, independente de ter ajudado ou nao, minhas sinceras desculpas.

Vendo Rem se afundar mais fundo em sua ansiedade, Crusch percebeu que tinha falado mais do que devia e baixou os olhos. Contudo, vendo a fria e formal Crusch de repente fora de caráter, a preocupou, querendo mostrar que a tentativa de consolo de Crush nao foi um desperdicio, o canto dos lábios de Rem se forcaram procurando parecer o mais natural possivel, a se curvar em um sorriso.

Crusch: Ah, assim é melhor. -Vendo o sorriso, Crusch acenou com a cabeça.

Crusch:Natsuki Subaru disse uma vez “um sorriso cae melhor na Rem, não é?” Embora soasse como se tivesse saído do nada, não era uma coisa totalmente estúpida a se dizer.

Rem: Crusch-sama…sabe, quando você sorri, você dá uma impressão completamente diferente. Você geralmente é severa, mas uma vez que você sorri você se torna …

Crusch: É o que as pessoas dizem e, eu não posso dizer que não estou zangada com isso, porque eu não sorrio de forma alguma na frente de outras pessoas, eu acho que estou me tornando gradualmente mais mal-amada e mal-compreendida por causa disso…

Rem estava insegura quanto a tomar isso como uma piada, mas vendo o sorriso gentil de Crusch, seus lábios se abriram em um sorriso também. Corajosa e orgulhosa, para Rem, que sempre teve falta de confiança, Crusch era uma mulher ideal. Mas, claro, no coração de Rem, a maior honra era reservada para ninguém menos que sua irmã mais velha, Ram.

Crusch: À frente de seu caminho está o Culto das Bruxas … Mesmo que isso fosse mais ou menos esperado considerando a identidade de Emilia, até que saibamos mais sobre eles, a cautela é necessária. Natsuki Subaru nitidamente percebe isso, mas certamente Lord Mathers também teria um plano, não teria?

Rem: A profundidade da mente de meu mestre, eu não poderia saber. Mesmo se você me perguntar  eu não seria capaz de lhe dizer

Crusch: Isso é complicado. Afinal, agora que somos aliados, liberar um pouco de informação não faria nenhum mal.

Talvez fosse para distrair Rem de se afundar em pensamentos negativos novamente, de fato foi graças a Crusch que Rem não foi deixada sozinha para afundar em suas preocupações. Além disso, Crusch fez um bom ponto, um homem tal como Roswaal L. Mathers deve ter tido um grande plano para tudo isso. Certamente as ações de Subaru aproximaram todos os objetivos de seu mestre, enquanto ao mesmo tempo, ele está recuperando sua reputação perdida. Na verdade… com o assassinato da Baleia Branca, sua reputação já superou em muito o que era antes.

“Herói Natsuki Subaru”

Para Rem, cujo coração e futuro ele salvou, essa declaração é nada menos que exata. Considerando o futuro brilhante que ele ainda tem para criar, isso também é mais do que justificado. E então, para estar ao lado daquele radiante herói, um lugar que ele poderia ocasionalmente recorrer para se certificar de que ela estava lá, se apenas aquele lugar à certificasse de sua existência – então não há nada à mais no mundo que Rem desejaria. Com isso sozinha, ela ficaria satisfeita. Quando Subaru aparece em sua mente, o coração de Rem está sempre cheio de tumulto. Torna-se quente, e talvez calma. No entanto, de alguma forma ele também se torna cheio de dor, de ansiedade, de anseio e preocupação. Para dar ao seu coração tanta felicidade e tanto sofrimento, somente Subaru poderia fazer isso com ela. Com um sorriso esculpido em seus lábios, os pensamentos de Rem se voltaram para seu futuro: o futuro dela e de Subaru.      

Lançando um olhar ao lado do rosto de Rem, Crusch exalou um suspiro de alívio. Acariciando a bainha de sua espada de cavaleiro com os dedos, seus olhos fixaram o silêncio na estrada à frente, seus pensamentos eram nada mais que o longo caminho restante para a Capital.

Crusch:

Rem: —-?

Crusch apertou as pálpebras, no mesmo instante Rem ouviu um barulho e levantou a cabeça.

O que os olhos de Crusch capturaram, era algo, incomum, sobre o carro do dragão logo adiante. O ruído que Rem ouviu veio da mesma direção. Na verdade, em ambas as pistas estavam levando à mesma conclusão. De acordo com os olhos de Crusch, a carro de dragão “se desintegrou”. Nos ouvidos de Rem, o prelúdio de “colapso” ecoou como o som de pingos de chuva. Uma névoa de sangue pulverizou sua vista. A imagem da carruagem de dragão na frente deles de repente transformou em um borrão lamentável. O dragão-de-terra, a carruagem, e todos os feridos que estavam abordo foram completamente desarraigados, e depois se despedaçaram impiedosamente por uma devastação esmagadora.

Crusch: -! Ataque inimigo!

Sua garganta espantada demorou apenas um instante, antes que Crusch gritasse a chamada de reunião. Com Crusch no leme, as carruagens circundantes de dragões sentiram a crise e prepararam-se para a batalha. Rem, afastando toda a sensação de lesão e exaustão, com a estrela da manhã em mãos, levantou-se imediatamente – do outro lado da névoa de sangue estava a sombra ereta de um homem. Quem é aquele homem, agora ardendo em sua visão, parado no meio da estrada? Sem arma, sem armadura, sem medo. Sem compaixão, malícia ou intenção!

Crusch: – Atropele por cima dele !!

O comando de Crusch veio rugindo da plataforma do motorista. Ouvindo o comando, o cavaleiro-condutor estendeu as rédeas em reconhecimento. Com um rugido, o dragão-de-terra conduz a carruagem com forte impulso – impulso este capaz de destruir qualquer grande animal entrando em contato. Sem desvio da marca, foi uma colisão frontal na figura vertical. O homem não mostrou nenhuma intenção de se mover. E assim, os dois objetos tocaram, um corpo esbelto prestes a ser rasgado em pedaços pelo-

Rem: Crusch-sama!

Com este grito, Rem pegou Crusch pela cintura e voou para fora do lado da carruagem. Não havia tempo para pegar o condutor, Rem desembarcou mordendo o lábio, se culpando ao pensar nisso. E então, logo depois,

Homem: Ah fala sério? Eu desisto! Eu nem fiz nada e alguém quer me esmagar até a morte. Realmente, isso não é o que as pessoas deveriam estar fazendo. Acho que não.

Ele falou com o comportamento descontraído tal qual de um homem caminhando vagarosamente em um parque, ou tomando banho de sol ou alguma dessas situações. Se não fosse pelos detritos quebrados do que costumava ser uma carruagem de dragão, Rem não teria achado essa cena tão bizarramente amedrontadora. Não importa como você olha para ele, o homem não parece nada fora do ordinário. Seu corpo era longo e seco-fino-, e seus cabelos brancos bem arrumados não eram nem longos nem curtos, nem particularmente estranhos. Suas roupas pretas não eram nem exuberantes nem surradas, e seu rosto não era atraente de maneira alguma. Ele parecia tão comum, que talvez não importaria em que situação você o imaginasse, ele não pareceria alguém que chamaria atenção, que se você o encontrasse na rua, você o esqueceria dentro de 10 segundos. Mas o fato é que, ao entrar em contato com esse homem, o dragão de terra foi rasgado em dois, seus pés ainda a meio passo, e então, junto com o motorista e o carro, quebrados em incontáveis ​​pedaços indiscerníveis.

A parte mais assustadora é, embora Rem nao tenha desviado seus olhos, tudo que ela viu foi este homem meramente “estando de pé alí”. Não fazendo nada, com meramente estando de pé, o homem sobreviveu à colisão com uma carruagem carregada e impulsionada por dragões-de-terra, e ainda permanece ali como se não fosse nada.

Crusch: Obrigado Rem, por me salvar. Mas … parece que a situação não melhorou.

Ainda sendo carregada nos braços de Rem, Crusch lhe agradeceu, levantou-se e, no mesmo instante, sacou sua espada da bainha. Para o cavaleiro que seguiu sua ordem e, como resultado, foi quebrado em mil pedaços, Crusch sentiu a dor em seu coração e estreitou suas pálpebras.

Crusch: Para matar tão cruelmente uns de meus cavaleiros, não pense que isso vai acabar tão facilmente … Quem é você?

Com sua lâmina nua brilhando com a intenção de matar, ela lançou estas palavras para o homem. Tomando essas palavras, o homem tocou seu queixo e começou a balançar a cabeça como se entendesse.

Homem: Hum entendi entendi, okay okay, você não sabe sobre mim. Mas eu sei sobre você. Toda a Capital … na verdade, todo o país … você é o tema da conversa agora mesmo. Você é uma candidata como próxima sucessora do rei afinal das contas. Mesmo eu, tão fora de contato com o mundo, posso imaginar quão grande o fardo…

Crusch: A conversa sem rumo termina agora. Responda a minha pergunta, ou da próxima vez que irei matá-lo

Homem: Isso é realmente extremo! Contudo você não seria capaz de gerir um país de outra forma. No entanto, este sentimento, eu realmente não entendo nem um pouco … Este desejo de usar a coroa, e assumir todas as responsabilidades, como alguém poderia sequer entendê-lo? Aah, aah, embora eu não entenda, não vou discordar de ti. Eu não sou tão arrogante assim, nem um pouquinho. Ao contrário de você … Não prestando nenhuma atenção a Crusch, o homem continuou e continuou. E então,

Crusch: – Como eu disse, essa foi a última chance

Quando friamente Crusch pronunciou estas palavras, seu braço lançou uma lâmina de vento. A magia do vento de Crusch, combinada com a esgrima, desencadeia uma lâmina invisível. Reconhecida como o “Corte de Cabelo de Homens”, é uma lâmina poderosa ultra-longa composta de ar que pode cortar o corpo de um homem sem ele mesmo sabendo de onde veio, ou de quem. Naquela época, quando o Mabeast “Grande Coelho” apareceu nas planícies do condado de Karsten, ela matou todos os Mabeasts sob o comando do Grande Coelho em sua primeira batalha, e foi naquela época que o Conde Crusch Karsten ganhou o nome de “Corte de Centenas de homens”. Até mesmo a pele inflexível da Baleia Branca foi aberta por esta lâmina, ela tinha desempenhado não pequena parte em derrubar aquele Mabeast colossal. Comparado à baleia branca, este corpo pequeno, frágil não poderia resistir …

Não obstante,

Homem: … atacando alguém enquanto eles ainda estão falando, onde sequer estão seus bons modos?

Cabeça inclinada, como se ostentando a maneira que seu corpo não levou nenhum dano, o homem apenas ficou lá. Sua existência não era afetada por um corte que pôde destruir até mesmo a armadura da Baleia Branca. O corpo do homem – não … nem mesmo suas roupas … ambos … ilesos.

Ele não defendeu o ataque, mas sim algo totalmente diferente e desconhecido. Crusch não pôde se conter e prendeu sua respiração e Rem congelou no lugar, depois de testemunhar algo tão distante fora do reino da compreensão. Na frente delas, o homem suspirou pela primeira vez.

Homem: Sabe … – com um tom grave pelo desagrado. Eu ainda estava falando. Eu não estava falando agora? E então você me interrompeu. Não é um pouco descortês? Você não acha que isso estava errado? Eu tenho o direito de falar … mesmo que eu realmente não queira dizer isso, mas não interrompa as pessoas quando elas estão falando … não é isso algo de decência social e bom senso? Você está livre para ouvir ou não ouvir Eu não vou incomodá-la sobre isso, mas apenas, o que é que você está tentando fazer por não me deixar falar?

Ao longo de suas queixas, o homem ocasionalmente pisou o chão com uma expressão de desagrado em seu rosto. E assim, ele apontou o dedo para aquelas duas à sua frente, ambas agora incrivelmente sem palavras.

Homem: E agora você está calada, mas que diabos é isso? Você está ouvindo. Você estava ouvindo, certo? Năo estava eu a lhe perguntar uma coisa? Então me dê algum tipo de resposta, deve ser assim, certo? Você nem ao menos vai fazer isso, nem mesmo quer fazê-lo. Aah, aah, liberdade. Essa é a sua liberdade. Você me vê tagarelando e então decide me matar, mas quando eu lhe faço uma pergunta, você me ignora como se eu fosse o vento. Então é assim, não é? Bem, você é livre para fazer isso. Tudo bem, vamos apenas dizer que é assim. Mas então, o que isso quer dizer?

Vendo as duas paradas em silêncio na frente dele se preparando para um ataque, ele inclinou a cabeça e olhou para elas com seus olhos afiados, e então com uma voz suave,

Homem: Você está desconsiderando o meu Direito-1 dos meus únicos poucos bens, certo?

Tal qual como um calafrio escorreu pelas costas de Rem, o homem deu um passo adiante. Seu braço inclinado ergueu-se, criando uma pequena rajada de vento. Então, na mesma linha que o movimento de seu braço – a terra, o ar, e tal como se o mundo se separara em dois. Girando, rodando e girando, o ombro cortado de Crusch voou para o ar. Ainda segurando a bainha de uma espada, o braço caiu em um jato de sangue. Crusch, arrebatada pelos pés pelo impacto, caiu no chão, convulsionando em dor e perda em massa de sangue.

Rem: Crusch-sama!

Aturdida por alguns segundos, Rem correu para o lado da caída Crusch. Ela colocou as mãos na ferida de Crusch e com o pequeno restante final de sua Mana, aplicou todo o seu poder para parar o sangramento. O ombro de Crusch fluiu um brilhante carmesim, a carne, os ossos, os nervos e as artérias estavam perfeitamente cortadas. Um ataque limpo e magistral, Rem suspirou com uma admiração bastante inapropriada.

Crusch: Ferris … oh … você?

Aos braços de Rem sob o processo de cura, Crusch olhava com os olhos sem foco, murmurando indiscernivelmente, e, com seu braço restante, agarrou firmemente o joelho de Rem. Pra provar que ela ainda possuía a força e resolução para continuar viva.